“Existe um laudo da Defesa Civil confirmando as rachaduras. Em dois blocos a situação é bastante grave e há indícios que esses mesmos problemas já existam em outros blocos. O medo dos moradores é que as obras tornem esses problemas mais graves, que as rachaduras aumentem, que as paredes cedam ainda mais e, em última análise, possam até cair”.

A explicação é do procurador público Marcus André que preside a confecção de um Termo de Ajustamento de Condutas entre os moradores e a construtora R. Carvalho, e participação da Prefeitura de Feira.

Os moradores querem sair do prédio enquanto os reparos estiveram sendo feitos pela Construtora.

As informações são do site Acorda Cidade.