O CLIMA ESQUENTOU entre o líder da Maioria, deputado Zé Neto (PT) e o líder da Minoria, deputado Carlos Gaban (DEM), por conta de uma matéria publicada em A Tarde , hoje, dando conta de que “empresas contratadas pela Secretária de Saúde têm servidores como sócios”. (leia clique aqui)

Gaban, autor da denúncia com base em relatório do TCE disse que se tratava de mais um escândalo no governo Wagner e que vai encaminhar ao MP uma representação.

Segundo Gaban, em plenário, a situação é tão vergonhosa que o governador Wagner, o mínimo que deveria fazer, “era exonerar esses servidores que cometem esses atos contra o estado e suas finanças”.

Leu o nome de várias empresas (dezenas delas) e seus sócios em 16 páginas retiradas do relatório do TCE, coínicas para todos os gostos.

O parlamentar democrata destacou que tem sido critico ao comportamento pouco pró-ativo do TCE, “mas, desta vez quero aqui elogiar o TCE por disponibilizar esses dados de forma pública”.

Já o líder da Maioria, deputado Zé Neto, destacou que a denúncia de Gaban era repisada, repassada, requentada, e “não há nada de irregular nessa prática administrativa adotada pela SESAB, uma saída que foi encontrada para contratar especialistas – neurocirurgiões e outros – até para não fechar unidades de tratamento de algumas especialidades”.

Gaban rebateu dizendo que o líder do governo estava sendo simplista, “que os corredores dos hospitais públicos de emergência estão repletos de clientes, a população morrendo, e V.Xa. ainda defende contratações irregulares envolvendo centenas de servidores da SESAB”.

 Tasso Franco/ Bahia Já