É no mínimo ‘inocência’  imaginar que ao assumir o cargo de Prefeito de Feira de Santana, no próximo mês, o vice-prefeito Colbert Martins Filho (MDB) vá prescindir da experiência do irmão dele, o empresário Evaldo Martins, na condução do governo.

Evaldo foi o ‘super secretário’ da Fazenda de Colbert Martins, o pai, é presidente do MDB de Feira e foi um dos principais articuladores da aliança do ‘colberzismo’ com o ”ronaldismo’ que principiou com a indicação de Luciano Ribeiro para vice e culmina agora com a chegada de Colbert à Prefeitura.

E na verdade, embora pareça o contrário, Evaldo está mais próximo dos acontecimentos cotidianos da politica e do governo de Feira do que se imagina.

Nos bastidores não só acompanha passo a passo as ações político-administrativas que se desenrolam pelo Município como já teve embates com membros do alto escalão ”’ronaldista’ com aquela sinceridade, digamos, ‘estrondosa’,  que o fez temido e admirado quando exercia função pública na Prefeitura.

Claro que em condição muito diferente daquela época, agora tem também ‘engolido muito sapo’ com  uma disciplinada discrição que chega a surpreender amigos mais próximos acostumados aos seus rompantes e ‘estouros’.

Até a estes amigos nega peremptoriamente que vá se envolver diretamente na administração. São outros tempos. Uma coisa foi ser Secretário do pai, outra é ser Secretário do irmão.Mas quem acredita nisso?

E mesmo que assim seja, sem cargo definido, a influência dele terá, porém, um peso ainda difícil de avaliar mas certamente definidora de rumos e metas que o irmão Colbert terá que cumprir para não cair na obscuridade de um sucessor sem personalidade e sem perspectivas de reeleição.