Há mais de 30 anos, Gildarte Ramos da Penha é o dono da voz mais ouvida no Parque de Exposição João Martins da Silva, durante a Exposição Agropecuária. É o responsável pela sonorização ambiente e por parte da locução das inserções comerciais e das entradas ao vivo, as conhecidas utilidades públicas.

Grave e limpa, a voz do parque se tornou uma referência.

Atenção, atenção precede ao recado, rápido e objetivo. É um carro mal estacionado que impede a saída de outros veículos. “Mas de longe a maior parte dos recados é para informar aos pais que uma crinça está no estúdio, chorando muito e esperando a presença deles”, diverte-se o locutor, com quase meio século de história no rádio.

Não arrisca um chute de quantas vezes chamou os pais ao estúdio ao longo destas três décadas. “Só posso afirmar que foram milhares e milhares de vezes”. E depois de receber a criança, o descuidado toma um carão. “Sempre lhes digo que devem cuidar mais das crianças porque os pequenos podem ser atropelados por um animal”.

Antes dos celulares, como o som chega aos quatro cantos do Parque de Exposição, era comum que as pessoas fossem ao estúdio para avisar alguém onde estava ou pedido que fosse ao seu encontro, no estúdio. “O celular facilitou estes reencontros, mas ainda algumas pessoas vem aqui para a gente dar este recado”. A utilidade pública não é cobrada.

É responsável pela sonorização das pistas onde acontecem os julgamentos dos animais. E nem sempre as partes ficam satifeitas. “Principalmente quando o locutor faz alguma propaganda. Aqui quem tem autorização para inserções sou eu”. E este direito é conquistado em licitação pública.

Diz não querer deixar o estande que ocupa no Parque de Exposição tão cedo e ter grande carinho pela Expofeira. Prova disso é que dois dos seus filhos – Jesus Levi Ramos e Matheus Ramos, hoje em Salvador, começaram na profissão durante a Expofeira. Hoje conta com a colaboração dos técnicos Nilton Santos e Juarez Silva.

fonte:Secretaria de Comunicação da Prefeitura de Feira de Santana