O prefeito Colbert Martins Filho (MDB) começou, logo depois da eleição de outubro,  a retaliar críticos e opositores ao governo municipal.

O primeiro ‘alvo’ foi o deputado e radialista Carlos Geilson. Imediatamente após se definir politicamente alinhado ao governador Rui Costa, o programa radiofônico comandado por ele teve suspensa a verba oficial de publicidade.

Em seguida, blogs e sites que têm posição crítica ao governo ‘ronaldista’, entre estes o Blog da Feira, sofreram ‘punição’ com a redução substancial de verba publicitária.

Mas a retaliação mais visível e brutal ocorreu no campo da cultura, neste final de semana, com a suspensão de shows do Festival Feira Noise um dos mais destacados eventos independentes da cena cultural da Bahia e do Brasil.

Prepostos da Secretaria de Meio Ambiente invadiram o local onde se realizava o Festival (que acontece há mais de 8 anos), acompanhados da Policia Militar e Guarda Municipal, e impediram a continuidade de shows sob o argumento de combater a poluição sonora.

A atitude foi condenada por todo o meio cultural.

A Prefeitura também se voltou contra a APLB, sindicatos dos professores, e se recusa a recolher o imposto sindical, para repasse à entidade, autorizado pelos professores em assembléia geral da categoria.

A APLB, que tem a professora Marlede Oliveira como presidente regional, é a entidade de classe mais atuante em Feira e tem obtido reiteradas vitórias nos confrontos com a Prefeitura e Marlede é tida como ‘inimiga número 1’ do governo.