É um fato visível que a quantidade de pedintes em Feira de Santana vem aumentando nas ruas do centro da cidade.

São tantos que não estão mais apenas nas calçadas movimentadas, nos calçadões, nas portas de igreja, nas sinaleiras ou nas esquinas de cruzamentos.

Há pedintes usando até carro de som onde exibem, com a presença e com a palavra de um locutor, as suas chagas, doenças ou aleijões.

“Venha, venha ver de perto”, chama o locutor, apelando ‘por qualquer ajuda’ para compra de materiais, para pagar cirurgias,tratamentos,  alimentos, etc.

É a crise brasileira.