Quem pensou que por ter sido cadastrado pela Prefeitura de Feira de Santana como camelô da Sales Barbosa ou da Marechal tem garantida a ocupação de um espaço no Shopping Popular está enganado.

A ‘Concessionária’, ou seja, o Shopping Popular tem até cinco anos para arranjar uma colocação para os cadastrados, de acordo com a cláusula 12 do contrato assinado entre o Consórcio liderado pelo empresário Elias Tergilene e a Prefeitura de Feira de Santana.

Isso significa que mesmo cadastrado o camelô que sair das ruas do centro poderá ficar sem trabalho pois a empresa do shopping popular pode não absorvê-lo em até cinco anos.

A mesma cláusula contratual permite ao Shopping alugar para não-camelôs e não-cadastrados aquele espaço que seria destinado ao camelô cadastrado que nao foi ‘absorvido’.

Em face disso, a Prefeitura ‘costura’ acordos com ambulantes para irem trabalhar em feiras semanais ou aguardar a consecução de um projeto denominado ‘Feira Itinerante’.

A cláusula 12 simplesmente anula qualquer condicionamento do shopping à chamada lista de cadastrados que a Prefeitura disse ter mas nunca apresentou.

Aberrações contratuais como essa foram motivos de ‘acalorada discussão’ na Câmara de Vereadores na semana passada, após o advogado de ambulantes, Rodrigo Lemos, usar a ‘Tribuna Livre’ para apontar esse e outros desvios de objetivos do empreendimento que custa ao tesouro municipal cerca de 13 milhões em dinheiro e a cessão de área no Centro de Abastecimento onde está sendo co struído o shopping.

O shopping popular está se tornando um escândalo.

O líder do governo na Câmara, vereador Marcos Lima, sugeriu, e foi acatada, a realização de uma ampla audiêncianpública com a presença do empresário Tergilene e o secretário Borges Junior.