Os festejos em homenagem a Nossa Senhora da Conceição de hoje em nada parecem com aqueles que o povo de Salvador costumava fazer até os anos 1970. Hoje raras barracas padronizadas pela prefeitura são montadas para vender comidas e bebidas praticamente para quem vai para as missas e a procissão.

Imagine que a festa era, por abrir na verdade o ciclo de festas populares da Bahia, uma das três mais importantes e pegava fogo na noite do dia 7 de dezembro, seguindo firme e forte e animada no dia 8. O profano se misturando com o religioso e os atabaques, pandeiros, violas e cavaquinhos somente se calando no breve instante da passagem do andor com a padroeira da Bahia, pois Nossa Senhora da Conceição é padroeira dos baianos, ela que também é Iemanjá no sincretismo.

Para retratar os velhos festejos basta dizer que foi o governador geral Tome de Souza quem trouxe uma imagem da santa quando aqui chegou em 1549 e uma das suas caravelas tinha o nome de Nossa Senhora da Conceição. A primeira coisa que ele fez foi construir uma ermida, pequeníssima capela na mesma área onde hoje fica a majestosa basílica, à beira da praia e da Praça Cairu. Fez missa, procissão, mas não teve festa.

Embora seja a mais antiga festa religiosa do Brasil, o povo é que a partir do século XVII começou a misturar as coisas e a Festa da Conceição virou algo imperdível e só quem viveu seu auge sabe como era bonito ver as barracas coloridas, pintadas em todas as cores, iluminadas por gambiarras. Famosas eram as barracas Iemanjá, Guanabara, Juvená, Vitória e a Sol e Lua, dentre tantas outras que competiam para oferecer a melhor comida regional, as melhores batidas e cerveja mais ou menos geladas pois os blocos de gelo eram mantidos em tonéis com pó de serra.

O povo circulava para lá e para cá, indo de barraca em barraca, sentando nos bancos e mesas de madeira, rústicos e encontrando os amigos. O samba de roda, a capoeira e o maculeê faziam parte da festa.

De vez em quando acontecia uma porrada e todo mundo corria para dentro do Elevador Lacerda, para as escadarias da Igreja e até a área da Capitania dos Portos. Mas a festa, ordinariamente era curtida com muita paz e muita música, com a batida de grupos que se formavam espontaneamente nas suas barracas favoritas e o povo só ia embora quando o dia amanhecia, quando o solo já batia quente no costado.

Ao redor montava-se circo e parque de diversão com roda-gigante a casa da Songamonga. Nos anos 1960 e início de 1970 a parte ao lado esquerdo da igreja foi tomado pelos estudantes universitários que iam cantar “bandeira branca amor, não posso mais” ou o mais novo frevo de Caetano Veloso no timbau de Fia Luna, acompanhado do saxofone de Vitório e a concorrência era grande entre a barraca de Juvená e de Guanabara. Amanhã são 470 anos ininterruptos de fé e devoção. A festa, do seu jeito novo, como pode ou como dá, continua. Festa da boa. E Nossa Senhora que me perdoe: mas tomei cada porre de esquecer até meu nome e a direção da igreja. Daquelas de por não ter forças para ir para casa dormia mesmo no brega.
————————————————-
Escritor e jornalista. Autor de “Baianidade..” e “Histórias da Bahia – Jeito Baiano”. Email: Jolivaldo.freitas@yahoo.com.br

Foto: A Tarde