Dias atrás, conversando com algumas pessoas sobre a possibilidade de publicar um novo livro de contos este ano, uma delas me perguntou: “Contos de novo? Por quê?”.

O momento não permitia uma resposta mais demorada e romântica, como pretendo que seja este texto. Respondi que é meu gênero literário predileto, e que me sinto mais desafiado quando escrevo um conto.

Agora, pensando no que disse, talvez não seja um exagero dizer que menti.

Rafael Rodrigues

Leia o texto completo, acesse: Paliativos