1) As manifestações têm o povo como protagonista, sem liderança formal estabelecida. A pauta são as insatisfações com o Poder Público.

2. A doutrina de policiamento de choque não está sendo utilizada na maioria dos casos.  Não tente bancar o “choqueano” sem necessidade;

3. Sempre que possível, use o diálogo. A presença policial visa garantir que a manifestação ocorra, e não reprimir  a liberdade de expressão da população;

4. Seja simpático. Aceite as flores dos manifestantes. Se conveniente, sorria. Simbolize a polícia ao lado do povo;

5. Não tome atitudes isoladas de repressão.

6. Não descuide de sua segurança. . Esteja sempre atento;

7. Lembre que o mesmo Estado que afaga atualmente as manifestações (por verem sua força), tentou reprimi-las recentemente.

8. Caso precise reprimir violência lembre de ser proporcional, justo e moderado;

9. Se informe sobre o que está acontecendo.

10. Você faz parte das manifestações. Provavelmente defende as mesmas causas (ou tem as próprias causas a defender). Nos protestos, a diferença entre você e os demais é funcional: você garante a segurança, os demais falam, gritam, suspendem bandeiras e cartazes.

Danillo Ferreira/Abordagem Policial