BAIO SANFONEIROAndré Galdino dos Santos Nome artístico: Baio do Acordeon.

Nasceu no dia 28 de Fevereiro de 1944, em Água Branca, Alagoas, foi batizado na cidade de Miguel Calmon, na Bahia e veio para  Feira de Santana com 7 anos de idade. Saiu de Feira para Jacobina,  retornando com 9 anos.

Seu pai era funcionário da Leste Brasileira e tocava sanfona de 8 baixos, com quem aprendeu e ambos ficaram, juntos, tocando fole de 8 baixos nas feiras livres da redondeza, acompanhados por Djalma (no pandeiro) e Pedro (no tambor), irmãos de Baio.

Depois, resolveu experimentar outras sanfonas, acima de 8 baixos, inicialmente, de 24, em seguida, de 48, e depois, de 80 e 120, usando predominantemente, a de 80 baixos.

Em 1974, no antigo Campo do gado, foi ouvido e visto por Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, executando “Asa Branca”, composição de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira. Gonzagão ouvindo aquilo, ficou impressionado e muito alegre, a ponto de prometer para Baio uma sanfona branca de presente.

Não demorou muito e Luiz enviou o presente prometido para a casa de Beto (a quem o Rei do baião confiava os consertos dos seus instrumentos), na Rua J. J. Seabra, para que o mesmo repassasse às mãos de Baio.

No momento em que a sanfona branca chegou à casa de Beto, ele não estava presente e quem a recebeu foi o nosso amigo e músico Erudílio, que com muita alegria a entregou ao ilustre destinatário: André Galdino dos Santos, o Baio do acordeon.

A história artística de Baio é muito rica e bonita. É o mais tradicional sanfoneiro de Feira de Santana e Região. Muito conhecido e reconhecido na Bahia, em todo o restante do Nordeste e em grande parte do restante do Brasil.

Fez muitas amizades por onde passou. Conheceu e conviveu com muitos artistas da música nordestina da época, principalmente, no final da década de 60, e nas décadas de 70 e 80.

Com o próprio Luiz Gonzaga, Jackson do Pandeiro, Abdias dos 8 baixos, Marinês, Elias Alves, Jacinto Silva, Osvaldo Oliveira, Elino Julião, Negrão dos 8 baixos, Messias Holanda, Lindu, Cobrinha, Coroné, Coronel Ludugero, Waldik Soriano, Lilico, além de muitos outros.

Mas  muito especialmente, Jacinto Limeira, pois o acompanhou em parte da Caravana CBS com o grupo “Os Bambas do Nordeste”, formado por ele (Baio, no Acordeon), Jorge, no zabumba (in memoriam) e Binha, no triângulo.

Tem participado de muitos eventos, juninos ou não, sempre que o Forró pé-de-serra é solicitado. Já participou de muitos trabalhos de gravações de discos, desde a época do LP, fitas e, agora, CDs.

Foi o grande vencedor do 1º Festival de Sanfoneiros de Feira de Santana/BA, em 2008, realizado no auditório do CUCA. Recebeu um lindo troféu que guarda com muito carinho.

JOTA SOBRINHOJota Sobrinho