Hoje é domingo, dia de Feirinha da Estação Nova, Tomba e Cidade Nova. Apenas as três maiores.

O que se observa é que o sistema de transportes nestes dias fica ainda pior e, assim me pego, imaginando o funcionamento do BRT. Do jeito que foi desenhado, o sistema não atende estas demandas, não faz interagir as três maiores feiras, o que faria aumentar a capilaridade do sistema.

Aqui um aviso, aos gestores do transporte público dessa cidade formosa e bendita, façam o redesenho das linhas de tal forma que atenda os critérios de alimentação do BRT, caso contrário o mesmo morre de inanição ainda no projeto.

Talvez seja por isto, inclusive, que nem as atuais empresas operadoras se interessam pelo mesmo.

E como assim não se interessam? Alguém já viu algum ato de pressão da Rosa e da São João, concessionárias do transporte, para buscar penalizar a prefeitura pelo atraso na conclusão das obras?

Simples, elas não desejam operar, e você leitor, grave que o sistema somente será inaugurado quando as empresas comprarem os ônibus. Caso contrário a minha fala as 01:45 da madrugada na já longínqua ocupação do canteiro de obras continua de pé: parem a ocupação pois não vai ter BRT.

E repito hoje a 29 de setembro de 2019 – como foi projetado o BRT não roda, nem emplaca.

Antônio Rosevaldo é professor, economista, com experiência em sistemas públicos de transportes.